Eventos
Desafio NASA divulga vencedores baianos para disputa mundial

21 de outubro de 2019
TEMPO DE LEITURA
3 MIN

Depois de um fim de semana inteiro no Hub Salvador dedicado a encontrar soluções para problemas da Terra do espaço, chegou ao fim, na noite deste domingo (20), a etapa soteropolitana do Nasa Space Apps Challenge 2019, hackathon realizado simultaneamente em todo o mundo pela Agência Espacial Americana (NASA).

Primeira e segunda colocadas, as equipes Cafeína e Monit Oil vão disputar com os vencedores de todo o mundo o prêmio maior da competição planetária, que é poder realizar o projeto proposto com apoio da Nasa.

A primeira equipe é formada pelo estudante de Engenharia Química, Ramon de Almeida, pelos alunos de Administração, Antonio Rocha, Pedro Dantas e Genilson Brito, e pelo futuro analista e desenvolvedor de sistemas, Thiago Barbosa, com idades variando entre 20 e 22 anos

A equipe Cafeína usou como base o Gerador de Van Der Graff para desenvolver um mecanismo que atraia e capte resíduos plásticos nos oceanos que são ingeridos por animais marinhos, comprometendo a vida deles, dos animais que se alimentam deles, inclusive os humanos.

A competição teve ainda desafios nas categorias Estrelas, Nossa Lua, Planetas Perto e Longe e Vivendo Nosso Mundo. Foi esta última que a turma do Monit Oil disputou.

A equipe formada pela profissional de Relações Internacionais, Bianca Meireles, 26 anos, o jornalista Antonio Laranjeira, 28, o especialista em Direito Digital, Felipe Coutinho, 29, o Engenheiro de Automação, Mateus Maia, 26, e o administrador e empreendedor Paulo Galo, 48, propôs um mapeamento colaborativo de emergências ambientais por conta de derramamento de óleo.

Além das duas equipes vencedoras, participaram do hackathon em Salvador mais 28 grupos, chegando a cerca de 200 competidores, dos 520 inscritos na primeira etapa do evento.

A meta para o ano que vem é chegar a 500 pessoas disputando os primeiros lugares, acredita Leka Hattori, representante oficial do Nasa Space na Bahia e realizadora da iniciativa.

“Chegamos a resultados positivos, mesmo com o grande desafio que é realizar um evento como esse no contexto econômico atual do país.

Ainda assim, conseguimos o feito de sair dos 22% para os 35% de participação feminina”, comenta a empreendedora, que aposta em Salvador chegando na final mundial.

O desafio internacional proposto pela Nasa aconteceu em mais 42 cidades brasileiras, entre elas elas Aracaju, Belo Horizonte, Curitiba, Goiânia, Fortaleza, Maceió, Manaus, Porto Alegre, Porto Velho, Recife, Rio de Janeiro, São Paulo, São Luís e Brasília.

No mundo, foram cerca de 20 mil pessoas. Em 2018, foram 18 mil participantes em 200 cidades em 75 países.

 

Fonte: Correio24Horas.